As surpresas de uma brincadeira de verão

Nestes dias de calor, me distraí observando alguns garotos em uma piscina em meio a uma sonora brincadeira. Os rapazes de diversas idades, alguns, quase adolescentes, outros ainda meninos, brincavam de “terrorista”. No faz-de-conta, um deles tornava-se o “terrorista” que precisava ser caçado pelo grupo, ao ser capturado, acabava lançado à água. Tratava-se de uma mistura contemporânea do antigo mocinho contra o bandido com filmes de piratas. Certamente, os gritos chegavam ao outro lado da rua:

– Pega! Tá fugindo! Canalha!

– Nãaaao!

Havia resistência, eles lutavam, era um tal de puxa pra lá e pra cá que cada terrorista-mirim caía na água todo esgarçado. Nisso um garoto magrinho, dos menores, recusou-se a continuar, o mais velho ficou de pé e falou:

– Você não pode sair! É contra as regras! Você tem que seguir como todo mundo!

-Não,  nãaaaaao quero mais brincar! -Respondeu o menor.

O mais velho insistia em tom alto e firme, no entanto, o garoto não cedeu, deitou na espreguiçadeira, fechando os olhos a tomar sol.

– Não!

Nem o discurso da regra, nem a autoridade da idade ou o temor da força -que não foi usada-haviam funcionado, restou ao colega dar de ombros, a brincadeira cessou, após alguns minutos todos juntos passaram a brincar de outra coisa.

Fiquei admirada com a capacidade do garoto dizer “não” e depois não se intimidar com a pressão do colega, correndo o risco, entre outros, de ficar de fora da turma. Capacidade que muitas pessoas de diversas idades não têm, enfrentam maus bocados e sofrem caladas. Dizer “não” é difícil, quem diz passa a ser “o” chato, algo que ninguém quer, exige discernimento e autoconfiança, pois requer perceber que algo não está nada legal, bem como ter força para aguentar o tranco.

O interessante é que colocar este limite comporta aprendizagens bacanas para todas as partes, para um que sua vontade pode ser respeitada pelos pares e, de quebra, vai construindo sua autoconfiança, para o outro, a conviver com o dissenso e a respeitar o outro. Assim, no conflito e superando-o aprendem todos. Aprendizagem importante em qualquer época da vida.

Gostei de ver essa garotada.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ideias, Papo de áquia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s